Engenheiro do Ambiente

  

Mundo_com_mos

Numa altura em que o ambiente está, finalmente, na moda, os engenheiros do ambiente não têm grandes dificuldades em encontrar o seu lugar ao sol no mercado de trabalho.

Funções: Supervisão e gestão de unidades de tratamento; avaliação de impactes ambientais;
realização de auditorias ambientais; gestão de recursos naturais; elaboração de projectos nas
áreas de tratamento de resíduos e gestão de recursos naturais; desenvolvimento de actividades de
controlo de poluição e gestão de recursos naturais; participação e elaboração de projectos nas
áreas de tratamento de resíduos e gestão de recursos naturais; seguros ambientais; colaboração
em equipas de Investigação & Desenvolvimento; ensino da educação ambiental; aplicação da
legislação ambiental; apoio técnico em decisões ao nível local/regional; gestão de áreas naturais;
fiscalização.


Áreas de actuação: Ambiente – Nesta área faz parte do trabalho do engenheiro a análise do impacto
provocado pelo homem no meio ambiente e as alterações no equilíbrio ecológico. Avalia,
por exemplo, problemas causados pela poluição, desflorestamento e pelas grandes obras;
Sanitária – É mais especializado e orienta-se para a resolução de problemas de saneamento básico
como a construção de sistemas de tratamento de esgotos e de redes de colecta e de distribuição
de água.


Requisitos: Sensibilidade ambiental, capacidade de adaptação às diferentes condições de trabalho
(exposição a fumos, odores, ruídos, etc.), polivalência, vocação para trabalhar em equipa e
interesse por actividades de campo e pela contínua actualização de conhecimentos. É importante
ter uma grande capacidade de análise, além de facilidade na comunicação oral e escrita. Ser
persistente, para conseguir atingir os objectivos traçados.


Onde exercer: Administração central e local, associações de defesa do ambiente, reservas e
parques nacionais, empresas de consultoria, indústrias e universidades.


Mercado de trabalho: A maior consciência ambiental que se observa nos dias de hoje traz novas
oportunidades a este profissional. As perspectivas de emprego são animadoras até porque, no
contexto político, o ambiente tem sido uma prioridade. Assim, a criação de legislação específica
implica que exista fiscalização, ou seja, esta é uma área de trabalho a desenvolver.