Corte de 1100 vagas no ensino superior

  

Estudar

No próximo ano letivo, as universidades e politécnicos de Lisboa e do Porto terão de cortar em 5% o numero de vagas no concurso nacional de acesso. Com esta medida o Governo pretende incentivar os estudantes a inscrever-se em instituições fora destas duas metrópoles.

São nove as instituições abrangidas por este despacho que afetará o concurso nacional de acesso ao ensino superior com início a 18 de julho: Universidade de Lisboa; Universidade Nova de Lisboa; ISCTE — Instituto Universitário de Lisboa; Instituto Politécnico de Lisboa; Universidade do Porto, Instituto Politécnico do Porto, Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril e as escolas superiores de Enfermagem de Lisboa e do Porto. Das 22 vagas disponíveis no ano passado foram "cortadas" cerca de 1100.

Mais de 70% dos alunos inscritos em 2017/2018 no Ensino Superior público e privado em Portugal frequentam universidades e politécnicos da Área Metropolitana de Lisboa e do norte do País, pelo que o Governo tenta assim promover uma espécie de descentralização.

A Escola Náutica Infante D. Henrique, em Oeiras, não sofre redução do numerus clausus, bem como os cursos de Medicina, Física e Tecnologia Nuclear, considerados prioritários. As restantes universidades do país podem aumentar em 5% os lugares disponíveis, sobretudo nos cursos relacionados com ciências da vida, física, matemática, informática e engenharias, avança o jornal Público.